Geração 60

Maria Lúcia Resende Garcia teve participação ativa no movimento estudantil, em Minas Gerais, e no movimento operário em São Paulo, na década de 60. Militante da AP (Ação Popular) foi perseguida e presa, como tantos outros, no famoso Congresso da UNE em Ibiúna-SP, em 1968. Neste livro estão os seus relatos sobre a vida na clandestinidade que foi obrigada a enfrentar. 

Relatar oralmente as experiências parecia incomodar às pessoas, como se elas não quisessem ser cúmplices desse passado. Transmitir através de um livro foi a forma que Maria Lúcia encontrou para deixar aos mais jovens um pouco dessa vivência e contar para os de nossa geração o que de fato aconteceu naquele período cruel da ditadura militar. 

A luta estudantil que parecia ser frágil inicialmente, tomou rumos que extrapolou os limites locais para tornar-se nacional, levando os mandantes da ditadura a buscar meios mais brutais para contê-la. O desejo de lutar contra a ditadura, pela volta da democracia e pela justiça social impulsionava os jovens a cerrar fileiras e ir às últimas conseqüências. Posteriormente engajados na luta operária verificou-se que as forças repressivas tornaram-se mais violentas. O compromisso assumido entretanto, era mais forte que o medo da repressão militar. Não se sabia se no dia seguinte o militante estaria preso ou morto, embora a morte não fizesse parte dos planos da juventude. 

Era preciso romper com a estrutura arcaica da sociedade dominadora e isso só seria possível com a luta armada, embora a principal arma fossem as palavras. E como os ditadores a temiam... 

Essa geração especial - a Geração 60 - viveu, lutou, criou, sofreu, morreu e ainda continua alimentando a esperança de uma sociedade mais justa e mais igualitária, na certeza de que esta luta não foi em vão.

O livro tem linguição?: 
Sim
R$33,00 R$29,70 

Geração 60

Geração Esperança
1a. Edição
2003
118 pp.
Preço Promocional com desconto de 10%: 
R$ 29,70
ISBN: 
85-295-0038-5
9788529500386